A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) projetou maior demanda por petróleo em 2018 e informou nesta quarta-feira que o acordo para cortes de produção junto a países rivais tem obtido sucesso em reduzir o excesso de oferta, apontando para um mercado global que pode entrar em déficit no próximo ano.

Logo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em Viena, na Austrália 22/09/2017 REUTERS/Leonhard Foeger

Em relatório mensal, a Opep informou que o mercado pode encontrar suporte no inverno devido aos baixos estoques de combustíveis derivados e projeções de tempo frio, que impulsiona o uso de derivados de petróleo para aquecimento.

A Opep disse que o mundo pode precisar de 33,06 milhões de barris por dia (bpd) de seu petróleo no próximo ano, alta de 230 mil bpd ante sua última previsão. É a terceira alta mensal consecutiva na projeção, feita pela primeira vez em julho.

O relatório ilustra a crescente confiança entre autoridades da Opep de que seu corte de oferta está funcionando. O petróleo encontrou suporte no acordo, mas o Brent tem sido negociado abaixo de 57 dólares por barril, ainda na metade dos níveis vistos em meados de 2014.

“Com o mercado caminhando para a temporada de inverno, a oferta de combustíveis derivados está notadamente apertada, representando uma mudança do excesso de oferta visto nos últimos dois anos”, disse a Opep no documento.

“A Opep e outros importantes países não membros continuam a drenar com sucesso o excesso de barris de petróleo no mercado”, afirmou o grupo no relatório.

Fonte: Reuters