Marintec Navalshore

Minfra regulamenta indenização para TPAs impedidos de trabalhar durante pandemia

O setor portuário possui papel fundamental no desenvolvimento do país, sendo vital para o crescimento econômico, e sua atuação torna-se ainda mais relevante durante a pandemia de covid-19 vivenciada em todo o mundo.

A atividade portuária foi reconhecida como essencial pela União Federal através do Decreto nº 10.282/20 e da Medida Provisória 945, de modo que seu exercício deve ser resguardado pelo Estado, em função do interesse público no seu funcionamento.

A MP 945 instituiu medidas temporárias aplicáveis ao setor portuário para garantir a preservação das atividades, estabelecendo, inclusive, regramento protetivo aos trabalhadores portuários avulsos (TPAs).

Publicidade

Marintec Navalshore

 

Entre as regras previstas na MP 945, há proibição de escalação dos (TPAs) nas seguintes hipóteses:

a) apresentação de sintomas compatíveis com a covid-19;

b) diagnóstico de covid-19 ou em isolamento domiciliar por coabitação com pessoa diagnosticada com a covid-19;

c) com mais de 60 anos;

d) gestantes ou lactantes; ou

e) diagnosticado com imunodeficiência; doença respiratória; ou doença preexistente crônica ou grave, a exemplo de doença cardiovascular, respiratória ou metabólica.

O TPA impedido de ser escalado tem, em princípio, direito ao recebimento de indenização compensatória, sobre as quais as dúvidas do setor sobre critérios de cálculo, custeio e ressarcimento foram dirimidas pela Portaria 46 do Ministério da Infraestrutura (MINFRA).

Além disso, a Portaria 46 apresenta disposições sobre o reequilíbrio econômico-financeiro de contratos de arrendamentos portuários e de descontos tarifários aos Operadores Portuários, demais tomadores de serviços e donos de carga, referente aos custos supervenientes decorrentes das indenizações. 

A Portaria 46 apresenta as seguintes regras em relação à indenização e seu pagamento:

I) Requisitos para recebimento da indenização mensal pelos trabalhadores portuários avulsos (TPAs)

Os TPAs com sintomas compatíveis, diagnóstico de covid-19 ou submetidos a medidas de isolamento em função de coabitação com pessoa diagnosticada com covid-19 deverão apresentar ao Órgão Gestor de Mão de Obra (OGMO), inclusive por meio eletrônico, o respectivo atestado médico para receber a referida indenização, não bastando a autodeclaração.

Os trabalhadores diagnosticados com imunodeficiência, doença respiratória ou doença preexistente crônica ou grave, como doença cardiovascular, respiratória ou metabólica, deverão apresentar o atestado médico correspondente, salvo se o OGMO já dispuser de tais informações nos seus registros.

Entendemos que o Ogmo pode condicionar o afastamento do TPA à apresentação de exames e outros documentos médicos e ambulatoriais, bem como submeter o TPA a consulta com o seu Setor de Saúde e Medicina Ocupacional, conforme entendimento consubstanciado nas Súmulas nº 15  e nº 282 do TST e a previsão do §3º do Art.60 da Lei 8.213/61.

As trabalhadoras gestantes deverão apresentar exame ou atestado da gravidez e as lactantes a certidão de nascimento do filho, que deverá ter até 6 meses de idade para que a indenização seja concedida.

Para recebimento da indenização, o TPA deverá entregar ao Ogmo formulário específico, devidamente preenchido e assinado, conforme modelo indicado no Anexo I da Portaria 46.

Nos termos apontados pela MP 945, a indenização não será devida aos TPAs que percebam benefício previdenciário ou que recebam o benefício assistencial previsto pela Lei 9.719/98. Assim, os aposentados não terão direito à indenização compensatória.

II) Cálculo da indenização

A indenização será no valor correspondente a 50% sobre a média mensal da remuneração bruta recebida pelo TPA entre 1º de outubro de 2019 e 31 de março de 2020.

O cálculo não levará em conta os períodos de afastamento por motivo de doença, acidente de trabalho ou cessão em caráter permanente a Operador Portuário. Por exemplo, se o TPA ficou afastado por 2 dois meses, a média será dos 4 meses nos quais estava apto e disponível para o trabalho, ainda que não tenha se habilitado ou sido escalado ou deixado de se engajar.

No cálculo da indenização não serão consideradas as seguintes verbas: FGTS, encargos fiscais e previdenciários pagos pelo tomador da mão de obra, valores referentes a transporte, alimentação e saúde, e outros auxílios de natureza indenizatória.

Se o TPA não for afastado da escala em todo o período mensal, a indenização compensatória será proporcional (“pro rata”). Por exemplo, se no mês de abril o TPA ficou afastado por 15 dias, receberá metade da indenização.

A indenização será paga mensalmente ao TPA, até o dia 8 do mês subsequente, salvo aquela referente ao mês de abril, cujo prazo é o dia 15 de maio.

III) Custeio da indenização

Caberá ao Ogmo calcular o valor a ser pago por cada Operador Portuário ou tomador de serviço para fins de custeio das indenizações, utilizando um dos seguintes critérios:

a) Proporção entre o MMO do mês de referência e o total das indenizações;

b) Proporção entre o total de engajamentos do mês de referência e o total das indenizações;

A Portaria 46 não impede que o Ogmo efetue o cálculo por categoria profissional ou atividade específica (estiva, capatazia, conferência, conserto, vigilância e bloco).

Caberá ao Ogmo efetuar a cobrança até o dia 04 e ao Operador Portuário ou tomador de serviço realizar o pagamento até o dia 06 do mês seguinte ao de referência.

IV) Reequílibrio econômico-financeiro e desconto tarifário

A Portaria 46 também regulamenta o processo simplificado de reequilíbrio econômico-financeiro dos Arrendatários e o desconto tarifário dos Operadores Portuários e donos de carga, referente ao acréscimo de custo decorrente do pagamento das indenizações aos TPAs.

O interessado (Arrendatário e/ou Operador Portuário e/ou dono da carga) deverá efetuar o pedido, acompanhado de documentação comprobatória emitida pelo OGMO que ateste o custo adicional incorrido em razão do pagamento de indenização, e celebrar instrumento de acordo individual e específico.

Para os Operadores Portuários ou donos da carga, o ressarcimento será realizado mediante desconto tarifário.

Para os Arrendatários, que não se valerem do desconto tarifário, o ressarcimento será realizado, a critério da administração do porto, por uma das seguintes formas:

I - abatimento do valor a ser pago pelo arrendatário à administração do porto a título de arrendamento fixo;

II - abatimento do valor devido a título de movimentação mínima contratual anual;

III - desconto de tarifas portuárias devidas pelo arrendatário à administração do porto; ou

IV - ressarcimento direto da autoridade portuária para a empresa arrendatária.

Arrendatários, Operadores Portuários e donos da carga receberão o ressarcimento a partir do mês subsequente, em uma única vez ou em até doze parcelas mensais. A partir do segundo mês, haverá correção pelo IPCA. A Portaria 46 também indica que a administração portuária poderá, a seu exclusivo critério, efetuar os ressarcimentos mediante convênio específico com o Ogmo.

Observa-se, portanto, que a Portaria 46 possui regras de grande importância para o Setor Portuário, as quais são de interesse dos TPAs, dos Operadores Portuários e dos Ogmos, sendo fundamental para a preservação das atividades portuárias, com saúde, dignidade e eficiência, neste momento tão delicado.

enrico-miguel-nichettiEnrico Miguel Nichetti é advogado do Departamento Trabalhista da Andersen Ballão Advocacia

Assine Portos e Navios

Conapra fundo transp Intermodal
  Thermo Solutions     Assine Portos e Navios

  Catálogo da Indústria Marítima

 

 

  Sobena

 

Tche Digital

 

 

 

Sinaval   Abratec