Brasmero

BR dos Rios: sonho ou realidade?

Após enviar ao Congresso Nacional o Projeto de Lei “BR do Mar” (PL 4199/2020), programa que visa incentivar, aumentar a competitividade e impulsionar o transporte marítimo de cabotagem no Brasil, o Ministério da Infraestrutura (MINFRA), em setembro de 2020, lançou o programa “BR dos Rios”, com o objetivo de criar uma política pública voltada ao incentivo do desenvolvimento da navegação interior, tendo vista o grande potencial fluvial do país.

As características geográficas do território brasileiro são muito favoráveis ao modo hidroviário, visto que o país possui uma rede fluvial e lacustre com 63 mil km de extensão, sendo quase 27 mil km de rios navegáveis e 15 mil km de vias potencialmente navegáveis, segundo a ANTAQ. A Confederação Nacional do Transporte (CNT) levantou que o Brasil utiliza somente 19 mil km de seus rios para o transporte comercial, de cargas e passageiros, extensão que corresponde a cerca de 30% de toda sua rede fluvial. Em termos de densidade da rede fluvial economicamente utilizável, o Brasil tem apenas 2,3 km de vias interiores para cada mil km2, enquanto que China, Rússia e EUA, países de grandes dimensões territoriais, possuem densidades de 11,5, 6,0 e 4,5, respectivamente. Uma simples conta mostra que a densidade da rede fluvial brasileira poderia ser de 7,4 km / 103 km2, caso todo o seu potencial fluvial e lacustre fosse utilizado.

Apesar das divergências nas diversas fontes existentes, a participação do transporte aquaviário na matriz de cargas brasileira é de 16%, com grande concentração em commodities, como grãos, petróleo e minérios, contra 65% do transporte rodoviário, 15% ferroviário, 4,2% dutoviário e 0,4% aéreo. Comparativamente, o Brasil perde apenas para os EUA em participação aquaviária na matriz de transportes de cargas, batendo a China e a Rússia. Os EUA possuem 41 mil km de hidrovias e o modo aquaviário responde por 25% de sua matriz de cargas. China e Rússia, apesar de possuírem enormes extensões hidroviárias, 110 mil km e 102 mil km, respectivamente, as participações aquaviárias em suas matrizes de cargas são inferiores à brasileira, ficando em 11% para ambos os países. Vale ressaltar que esses números comparativos são apenas referenciais, pois as características geográficas e topográficas das bacias hidrográficas desses países podem não atender às exigências técnicas, operacionais e comerciais para o transporte de cargas e pessoas.

PUBLICIDADE

Rimac


De acordo com a ANTAQ, dentro da fatia do transporte aquaviário na matriz brasileira, apenas 5% das cargas são movimentadas por vias fluviais. Essa baixa participação tem a ver com a histórica falta de grandes investimentos no transporte fluvial, pois a prioridade sempre foi dada ao transporte rodoviário pelos governos federais das últimas décadas. Segundo a CNT, nos últimos 10 anos, os investimentos no transporte fluvial tiveram uma redução de 87,6%, passando de R$ 872,5, em 2009, para R$ 108,0 milhões, em 2019.

Em termos de produtividade, no primeiro semestre de 2020, em pleno ambiente pandêmico, a navegação brasileira por vias interiores transportou 10,09 milhões de toneladas de cargas, que indica uma queda de 15,2% em relação ao mesmo período de 2019, conforme registrado no boletim CNT Transportes em Números, do mês de setembro. Segundo a CNT, não se pode culpar a crise econômica decorrente da pandemia da Covid-19 pelo mau desempenho da navegação fluvial brasileira, uma vez que esse foi o quinto resultado negativo do modal, na base de comparação semestral, desde julho de 2018.

Essa situação de subutilização do potencial do transporte fluvial é decorrente aos entraves de infraestrutura, excesso de burocracia, baixa efetividade de planos e programas governamentais e poucos recursos financeiros investidos no setor, ao longo dos anos, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Em relação ao transporte de passageiros, cuja última informação disponível data de 2017, a CNT estima que foram transportados cerca de 9,8 milhões de passageirospelos rios dos estados do Amapá, Amazonas, Pará e Rondônia. Na Amazônia, o transporte fluvial de passageiros é fundamental para o deslocamento das pessoas e o abastecimento das comunidades ribeirinhas, sendo que, em algumas localidades, os rios são praticamente o único meio de transporte.

Cabe informar que a maior parte do transporte fluvial brasileiro acontece no Arco Norte, região composta pelos estados de Roraima, Amapá, Amazonas, Pará e Maranhão, com grande logística portuária, e onde está situada a maior bacia hidrográfica do mundo. Essa região hidrográfica da Amazônia possui cerca de 16 mil km de rios navegáveis que apresentam condições ideais para o transporte fluvial de cargas, visto que estão localizados em planaltos ou planícies, sem quedas d’águas em seus percursos. As principais “hidrovias” do país são: Tocantins-Araguaia, Solimões-Amazonas, Teles Pires-Tapajós, São Francisco, Madeira, Paraguai-Paraná, Tietê-Paraná e Taquari-Guaíba. Em muitos casos, existem problemas ambientais que estão afetando o curso natural dos rios e impedindo ou dificultando a navegação, como, por exemplo, acúmulo de lixo, depósito de sedimentos nos leitos, derramamento de óleo, resíduos de obras, esgoto, retirada da mata ciliar, entre outras agressões realizadas pelo homem. O Rio São Francisco é um clássico exemplo de assoreamento que está prejudicando, cada vez mais, a navegação, pesca, produção agrícola e qualidade da água, em boa parte de seus 2,9 mil km de extensão.

O transporte hidroviário é muito adequado para a movimentação de grandes quantidades de cargas de baixo valor agregado, por médias e longas distâncias, com poucas emissões de poluentes e com reduzido custo da tonelada transportada. Um comboio fluvial, com 25 barcaças, pode transportar 50 mil toneladas de soja, que equivale a cerca de 1.667 carretas rodoviárias de 30 toneladas ou a 5 composições ferroviárias com cem vagões.

Um importante estudo da CNT aponta que, embora os 42 mil km de vias navegáveis e potencialmente navegáveis do Brasil sejam chamados de “hidrovias”, o país não possui, na prática, hidrovias, dentro dos padrões técnicos e operacionais exigidos para a navegação. O transporte hidroviário brasileiro é realizado com base nas características naturais dos rios que proporcionam a navegabilidade. Uma hidrovia de verdade precisa de infraestrutura, ou seja, sinalização adequada, balizamento, sistema de monitoramento de tráfego, correções nos cursos d’água, dragagens e derrocamentos frequentes, e, em certos casos, construção de barragens e eclusas. O único sistema que se aproxima de uma hidrovia, de acordo com o estudo, é o sistema Tietê-Paraná.

Os investimentos a serem realizados em infraestrutura hidroviária são bem inferiores em comparação às obras rodoviárias e ferroviárias, visto que as vias fluviais já existem na natureza e precisam apenas de aportes de capital para adaptações, como dragagens, derrocamentos, eclusas, sinalização e terminais portuários. A CNT calcula que os custos de manutenção das hidrovias fluviais equivalem a cerca de 10% dos custos de manutenção de uma rodovia e a 3% de uma ferrovia. Além disso, o transporte aquaviário oferece menor consumo de combustíveis e maior eficiência energética, bem como maior segurança em relação a roubos e desvios de cargas, em comparação ao transporte rodoviário. A quantidade de combustíveis necessária para transportar uma tonelada de carga por quilômetro é cerca de 34% menor que os caminhões. Um comboio fluvial economiza 810 mil litros de combustível para transportar 1 tonelada de carga, a cada mil km rodados.

Todo esse panorama demonstra a enorme capacidade do modo aquaviário fluvial em contribuir com o equilíbrio da matriz de transporte de cargas em nosso país, que, atualmente, depende fortemente do modo rodoviário. Diante desse cenário, existe a necessidade de mudança em nossas políticas públicas de investimentos em transportes, especialmente na maior bacia hidrográfica navegável do mundo, pronta para atender à futura maior região produtora de grãos do planeta, que responde, hoje, por 56% da soja produzida no Brasil e pode atingir a 80% da produção nacional, nos próximos dez anos.

Assim sendo, segundo o MINFRA, a BR dos Rios pretende ser uma política pública de Estado, e não um programa de governo, e dependerá de “pressão social” para viabilizar os recursos necessários para sua efetivação. O programa, que vem sendo arquitetado desde 2019, encontra-se em fase inicial de formulação da agenda de prioridades e ações e de diálogo entre os stakeholders e players para a obtenção de propostas, legais e infralegais.

O setor hidroviário está muito interessado no sucesso da BR dos Rios, como, por exemplo, a Associação Brasileira de Entidades Portuárias e Hidroviárias (ABEPH) acredita que esse novo programa do governo federal trará inúmeros benefícios para a cadeia logística brasileira. Paralelamente, o Sindicato da Indústria da Construção Naval do Estado do Pará (Sinconapa) e o Sindicato Nacional da Industria de Construção Naval e Offshore (Sinaval) aguardam informações mais concretas sobre as propostas básicas do governo federal para a BR dos Rios, para poderem contribuir efetivamente com as demandas do setor e, também, poderem atuar para preservar a ativa e competente indústria de construção naval fluvial existente no Brasil.

Em última análise, o programa BR dos Rios poderá ser de grande relevância para a implementação de um grande projeto nacional de multimodalidade de transportes, visto que o transporte fluvial poderá desempenhar papel de destaque no equilíbrio da matriz de cargas brasileira, bem como contribuir, sobremaneira, para a diminuição dos custos logísticos e do custo-Brasil. Assim como a BR do Mar poderá evoluir para uma importante lei federal em favor da cabotagem, precisamos atuar para que a BR dos Rios siga o mesmo caminho e não seja mais um sonho não realizado.

Faça aqui o download deste artigo, em formato PDF

Marcus Quintella, FGV Transportes
Fábio Vasconcellos, Estaleiro Rio Maguari
Roberto Levier, Waterline Maritime Strategies


Pesa

    AAPA     Jan de Nul     Antaq
             

Tche Digital

 

 

Anuncie PN

 

  Sinaval   Assine Portos e Navios