MSC
  • Superporto Sudeste - MMX conclui contratação junto ao BNDES

    A MMX, empresa de mineração do Grupo EBX, concluiu junto ao BNDES a última etapa do processo de contratação da suplementação do financiamento de longo prazo para o Superporto Sudeste. O valor total da suplementação, na modalidade Finem, é de R$ 935 milhões aproximadamente com prazo final de 10 anos, a contar de janeiro de 2013 e já considerados os 12 meses de carência para pagamento de juros e principal. 

  • Subsidiária - Noba Tech se estabelecerá no Brasil

    A empresa norueguesa de tecnologia de petróleo Noba Tech AS assinou acordo para o estabelecimento de uma subsidiária e cooperação com o grupo industrial brasileiro HTS. De acordo com o CEO da Noba Tech. Kjetil Høisæter Paulsen, o estabelecimento da Noba Tech do Brasil criará oportunidades de entregas no país com elevado grau de conteúdo local. Pelo acordo, a Noba Tech do Brasil será uma subsidiária da Noba Tech AS. O acordo prevê o treinamento de funcionários do grupo HTS na Noruega.

  • Simuladores - Petrobras e Firjan assinam convênio

    A Petrobras e o Senai/Firjan assinaram, no último dia 14 de abril, um convênio para o desenvolvimento de simuladores e ambientes virtuais. Serão produzidos 14 novos simuladores de operações que serão utilizados para capacitação de profissionais da indústria de óleo e gás nos próximos cinco anos.

  • Selo Euceb

    A Isover Saint-Gobain, líder mundial em materiais de isolamento térmico, recebeu selo Euceb, que certifica a fibra de vidro livre de compostos cancerígenos. A Isover recebeu a nota máxima (Q) que atesta o cumprimento do regulamento 1272/2008, cujos testes foram conduzidos por instituições independentes, qualificadas pela Euceb – European Certification Board for Mineral Wool Products, para produtos de lã mineral, com sede em Bruxelas, na Bélgica.

  • PNC segue sem previsão

    Minuta do plano de contingência aguarda aprovação da Casa Civil desde 2010, após uma série de ajustes

    A minuta do Plano Nacional de Contingência (PNC) permanece na Casa Civil desde o final de 2010. A justificativa é que, nesse período, a minuta passou por uma série de ajustes e chegou a ser devolvido ao Ministério do Meio Ambiente (MMA) para reformulações. O superintendente de meio ambiente da Diretoria de Portos e Costas (DPC) da Marinha, capitão de mar-e-guerra Tarcisio Alves de Oliveira, conta que o artigo sobre recursos financeiros ainda não foi acertado. Ele lembra que o PNC vem sofrendo mudanças desde a primeira minuta, em 2004.
  • PLC9 na sala de aula

    Workshop Regulação Portuária abre segunda turma. Evento será em maio, no Rio de Janeiro

    A medida provisória 595/2012, transformada no Projeto de Lei de Conversão 9/2013, virou de ponta cabeça o cenário regulatório do setor portos. Elaborada para proporcionar avanços na infraestrutura logística do país e aposentando a Lei 8630/1993, recebeu mais de 600 emendas no Congresso e trouxe novos impasses para os portos e terminais. Para o advogado Osvaldo Agripino de Castro Junior, o problema do Brasil e do setor portuário não é falta de legislação. Ele avalia que a atual reforma portuária foi conduzida na contramão de uma lei madura — a 8630 —, criando uma ‘gambiarra jurídica’ que dificulta a tomada de decisões por investidores.

  • Planejamento em risco

    Portos delegados temem que centralização da gestão prejudique obras e atração de investimentos

    As incertezas da medida provisória 595, convertida no PLC9/2013, ameaçam o planejamento portuário num momento chave para a expansão do setor. Os portos delegados, sob a responsabilidade de estados ou municípios, temem que o governo, por meio das novas regras, centralize a gestão portuária na Secretaria de Portos (SEP) e na Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). As indefinições preocupam as administrações portuárias que estão executando ou planejando obras de expansão e atraindo investimentos privados. A insatisfação central seria a interferência federal sobre as licitações e os arrendamentos de novas áreas. 

  • Passeio esportivo

    Consolidada como a maior fabricante nacional de lanchas em unidades vendidas, a Fibrafort amplia o seu mix de modelos com o lançamento da Focker 275ss. Versão mais esportiva do bem-sucedido modelo Focker 270, a nova Focker 275ss foi especialmente desenhada e adaptada para aqueles que gostam de aventura, mas não abrem mão das funcionalidades de um barco cruiser.

  • P-76 - Technip construirá ‘topside’ da P-76

    A Technip assinou com a PNBV, subsidiária da Petrobras, um contrato para a construção do topside da P-76, além da sua integração, comissionamento e assistência no início das operações. A plataforma produzirá 180 mil barris de petróleo e sete milhões de metros cúbicos de gás por dia na Bacia de Santos, no Rio de Janeiro.

  • Novo ramo - Radix entra no setor naval

    Seguindo seu plano de expansão, a Radix ampliou seu portfólio e entrou para o setor naval. Entre os clientes da empresa de engenharia e TI estão o Estaleiro Atlântico Sul (EAS) e a Transpetro.

  • Mudanças na gestão ambiental

    Reforma portuária e regras complementares geram insegurança jurídica sobre licenciamento

    A medida provisória 595 e as leis ambientais editadas nos últimos dois anos trouxeram novas dúvidas e incertezas sobre como será feito o licenciamento ambiental nos portos. Uma das questões recentes, prevista na MP, estabelece que autorizações e contratos de concessão e arrendamentos dependerão da emissão do termo de referência para estudos ambientais, ao invés da aprovação do Relatório de Impacto Ambiental (Rima). Segundo o advogado Raphael Vianna, da Consultoria Rocha, Teixeira & Advogados Associados (CRT), o texto que trata do termo de referência gerou insegurança no setor.

  • Mais fornecedores nacionais

    Diversas são as iniciativas em andamento para desenvolver a cadeia de fornecimento para a indústria de construção naval

    O desenvolvimento de fornecedores nacionais é um dos principais gargalos a serem solucionados no setor naval. Para alguns itens da cadeia produtiva, já há no Brasil uma base estabelecida de participantes de bens e serviços. Para outros, no entanto, a indústria brasileira ainda não tem capacidade de atendimento. Diversas são as iniciativas em andamento para superar esse desafio.

  • Linhas de crédito

    A Caixa Econômica Federal e o Sebrae firmaram Convênio de Cooperação Geral visando ao desenvolvimento de ações para apoio e fortalecimento dos pequenos negócios. Estão previstas no convênio iniciativas de capacitação, consultoria e atendimento qualificado às pequenas empresas, além da disponibilização de linhas de crédito e serviços financeiros da Caixa.

  • Licitação - Novas embarcações de apoio

    A Petrobras aprovou, no último dia 18 de abril, a contratação de 23 embarcações de apoio como parte do 3º Plano de Renovação da Frota de Embarcações de Apoio Marítimo. Do tipo PSV 4500 e OSRV 750, as unidades cumprirão requisitos de conteúdo local de 60% e serão construídas no Brasil. Segundo a companhia, os preços apresentados foram competitivos, atendendo às métricas e orçamentos esperados. Esta foi a quarta Rodada do Plano de Renovação da Frota.

  • LabOceano - Dez anos desenvolvendo tecnologias

    O Laboratório de Tecnologia Oceânica (LabOceano) da Coppe/UFRJ completa dez anos de atividades com muitos motivos para comemorar. Desde sua inauguração em abril de 2003, pelo então presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, o laboratório tem mantido plena atividade. Até fevereiro de 2013, o LabOceano realizou cerca de 100 ensaios e testes, que resultaram em inovações tecnológicas e confiabilidade aos equipamentos e estruturas voltados para os setores naval e petrolífero e atividades offshore. Para celebrar sua primeira década, o LabOceano promoveu no final de abril um seminário internacional com 20 especialistas palestrantes, nacionais e estrangeiros. O evento contou com a participarão 200 pesquisadores e profissionais da área offshore dos cinco continentes.

  • Janelas Tecnolite

    A Tecnolite submeteu a teste em fevereiro suas janelas classe A-60 e A-0.

  • Inspeção

    A Rigging Brasil, empresa especializada na inspeção de materiais para elevação, movimentação e amarração de cargas, implementou uma solução RFID (Identificação por Radiofrequência) para agilizar os processos e a segurança no controle das informações da ABB. O projeto automatiza todo o processo de inspeção, rastreabilidade e relatórios dos dispositivos de içamento de cargas na unidade da ABB instalada em Guarulhos, no estado de São Paulo. 

  • Hora da recuperação

    Com previsão de ano difícil, Petrobras pouco avança em programas de renovação da frota. Resultado já reflete na indústria de navipeças

    O ano de 2013 para a Petrobras será mais difícil que 2012. A afirmação foi feita pela presidente da empresa, Maria das Graças Foster, durante a apresentação dos resultados de 2012 da estatal, no último mês de fevereiro. A companhia fechou o ano com um lucro líquido de R$ 21,1 bilhões, valor 36% menor do que o de 2011 e o pior resultado dos últimos oito anos.

  • Guindastes - MLX inaugura filial em Itajaí

    A MLX Distribuidora, revendedora de guindastes da Sany nas regiões do Nordeste e Sul, inaugurou, em abril, uma filial em Itajaí (SC). Com investimentos da ordem de R$ 3 milhões, a nova unidade expandirá a operação da fabricante chinesa no país.

  • Gratuito

    A Intrade disponibiliza gratuitamente as licenças do software InTrade (International Trade Software). O Intrade foi idealizado para que micros e pequenos empresários se tornassem atuantes no mercado internacional. Entretanto, a inércia no crescimento de exportações e importações das MPEs pela falta de capacitação levou a empresa a repensar a comercialização do software. “Estamos ousando na distribuição gratuita como desafio para a internacionalização das MPEs”, diz a Intrade em nota.

  • Fronius

    A Fronius trouxe ao mercado um robusto e compacto aparelho de avanço de arame especial na forma de maleta. A caixa compacta VR 5000 foi desenvolvida especialmente para a aplicação em ambientes com poeira, umidade e sal. Em conjunto com as fontes de solda MIG/MAG da série TransSteel com unidade de avanço de arame, um soldador está disponível e assim, um sistema completo perfeitamente definido, sobretudo para a utilização na construção naval, na construção de plataformas de óleo, de veículos ferroviários e na montagem.

  • Estudo - Pesquisadores propõem monitoramento costeiro

    Pesquisadores de países latino-americanos — incluindo o Brasil — e europeus publicaram um artigo na revista Global Change Biology no qual dão uma série de recomendações para o desenvolvimento de uma agenda científica e política sobre os impactos das mudanças ambientais e climáticas globais e regionais em ecossistemas costeiros marinhos na América Latina. De acordo com os autores, na região há uma grande variedade de habitats bentônicos (formados por organismos que vivem nos substratos marinhos), muitos dos quais com grande biodiversidade e prioritários para ações de conservação. Entre eles, há enormes camadas de rodolitos (recifes de algas calcárias), além de manguezais, bancos de gramíneas marinhas e recifes de coral no oceano Atlântico Tropical com um grande número de espécies endêmicas (próprias).

  • CLN 150 - Vale obtém licença de operação

    A Vale recebeu a licença ambiental para operação (LO) para o Píer IV do terminal marítimo de Ponta da Madeira (PDM)  no Maranhão, emitida pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente (SEMA). A LO refere-se às seções onshore e offshore do Píer IV. A parte onshore compreende dois viradores de vagões, dois pátios de estocagem de minério de ferro, uma empilhadeira, duas recuperadoras de minério de ferro e correias transportadoras. 

  • Cautela para chegar

    Representantes de fabricantes de navipeças do exterior apostam em cenário promissor, mas incertezas sobre ambiente de negócios dificultam instalação de unidades no Brasil

    Representantes de fornecedores estrangeiros de navipeças veem o Brasil como nicho importante para expansão de seus horizontes. As obras em curso garantem bons negócios e as apostas são para a real efetivação de novas contratações pelos próximos anos. No entanto, ainda falta certeza do tamanho do mercado brasileiro para que as empresas estrangeiras se estabeleçam efetivamente no país.
  • Casa nova

    O Grupo Wilson, Sons, um dos maiores operadores logísticos e portuários do Brasil, está de casa nova. A companhia, que ocupava 3,75 mil metros quadrados de um prédio da Avenida Rio Branco, no Rio de Janeiro, se mudou para o edifício Galeria Sul América, na Rua da Quitanda. Com um andar e meio e área de 4,3 mil metros quadrados, o espaço é ocupado por 600 funcionários.

  • Carga Online - Appa apresenta sua solução à SEP

    A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) apresentou a técnicos da Secretaria de Portos (SEP) seu sistema de monitoramento de veículos que chegam para descarregar grãos em Paranaguá. A SEP pretende implantar um sistema denominado Cadeia Logística Portuária Inteligente, integrado ao programa Porto Sem Papel (PSP), e o Sistema Carga Online é um caso em estudo para possível aproveitamento no desenvolvimento da solução da SEP.

  • Caixões de concreto - Açu inicia nova etapa construtiva

    O porto do Açu (RJ), localizado no norte-fluminense, a cerca de 315 da capital, prepara-se para nova etapa de obras, com o recebimento de nove caixões de concreto armado, pesando mil toneladas, que serão utilizados em suas fundações. As estruturas deixaram o porto de Algeciras, na Espanha, país em que foram construídos, para uma viagem de 15 dias até o destino final. Os prodecimentos foram iniciados em meados de abril.

  • Avanços moderados

    Achatamento de preços frente aos importados e dificuldades para obter certificação ainda são entraves para empresas de salvatagem

    Os fornecedores de equipamentos de salvatagem têm grandes desafios pela frente. Em um mercado considerado estagnado mas com boas perspectivas, o dever de casa passa pela normatização das empresas aos padrões internacionais de segurança da Organização Marítima Internacional (IMO) e adequação de preço para competir com os produtos importados. As dificuldades existem, mas os fornecedores estão se movimentando para sobreviver e o mercado está crescendo. Um bom sinal foi registrado pela Marinha em 2012, o aumento da demanda pela homologação de materiais de salvatagem.

  • Agilidade

    A Rodovale, de Lajeado (RS), lançou uma cavaqueira com capacidade de descarregar 85 metros cúbicos em aproximadamente 15 minutos. A novidade, projetada pela empresa gaúcha, reduz em 50% o tempo destinado ao descarregamento dos caminhões. A cavaqueira representa uma economia de tempo e custo para empresas transportadoras de cavaco, carvão, grãos e papel reciclado.

  • ‘Tucunaré’ ganha o mar

    Eisa lança quarto navio da Log-In da série de sete encomendas. O terceiro, ‘Tambaqui’, recebeuprêmio internacional

    O Estaleiro Eisa lançou ao mar o graneleiro Log-In Tucunaré, quarto navio de uma encomenda de sete embarcações que a Log-In tem com o estaleiro. Segundo a companhia, a operação movimentará 150 milhões de toneladas de minério de bauxita a granel no período.
  • ‘Subsea’ - Governo do estado do Rio discute polo

    A Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços do Rio de Janeiro (Sedeis) planeja atrair fornecedores de equipamentos submarinos (subsea) da cadeia de petróleo e gás, para atender à Petrobras e outras empresas. A iniciativa permitirá, no estado, a expansão do polo de subsea, área, em que já está prevista, só por parte da Petrobras, a encomenda de US$ 10 bilhões nos próximos cinco anos.